Iconografia

São Norberto era arcebispo de Magdeburgo (leste da Alemanha) e por isso sua estátua o representa com uma cruz arquiepiscopal (crozier), que simboliza a autoridade do “pastor” espiritual da igreja local e sua posição hierárquica; e o pálio, uma vestimenta litúrgica simbolizando tanto a plenitude do ofício episcopal quanto a lealdade pessoal ao Papa.

O cabelo de Norberto é tonsurado, em concordância com o costume eclesiástico da época. Cônegos eram tonsurados enquanto irmãos leigos não. Esta prática sacerdotal, originária do século V-VI, consiste no raspar da cabeça, ou de parte dela, simbolizando a coroa de espinhos do Senhor.

Norberto veste também uma roquete, um vestuário litúrgico de linho que vai à altura do joelho próprio para clérigos de alto nível (bispos e abades) e para cônegos, em referência ao seu famoso conselho de que seus cônegos deveriam sempre vestir linho ao redor do altar (ou seja, durante as celebrações litúrgicas) como sinal de reverência à Santa Eucaristia.

Um dos mais marcantes exemplos do zelo apostólico de Norberto pela Santa Eucaristia veio em resposta à heresia de um homem chamado Tanquelmo, cuja cabeça Norberto esmaga com seu pé, recordando Nossa Senhora esmagando a cabeça da serpente (cf. Gn. 3, 15). Tanquelmo rejeitou a autoridade da Igreja, cerca do ano 1100 inicialmente na área dos Países Baixos, pregando violentamente contra a Missa e a Santa Eucaristia, alegando falsamente que a eficácia dos Sacramentos baseava-se no merecimento do ministro. Norberto e seus seguidores opuseram-se com sucesso a essa heresia especialmente na cidade de Antuérpia, em 1119.

Como “Apóstolo da Eucaristia”, a reverente contemplação de Norberto fixa-se no ostensório em sua mão direita.

Muitos dos milagres atribuídos a São Norberto ocorreram no contexto do Santo Sacrifício da Missa: milagres de cura, de exorcismo, e de reconciliação. De fato, São Norberto insistia em celebrar a missa antes de assumir qualquer trabalho, de tão grande a sua fé no poder da Eucaristia. No início de sua conversão, quando ele abriu mão de literalmente tudo que possuía, ele reteve consigo apenas os artigos necessários para a celebração da Missa enquanto ele viajava a pé pela Europa. Era de tal forma que ele podia celebrar a Eucaristia diariamente, embora não fosse uma prática comum na época um sacerdote celebrar tão frequentemente, apenas nos domingos. O ostensório realmente só entrou em uso muito depois, mas durante os tempos conturbados da revolta Protestante ele se tornou uma expressão artística da tão conhecida devoção Eucarística de São Norberto.

São Norberto, homem de fé, apóstolo da Eucaristia, mensageiro da paz e defensor do papa, fundador da Ordem dos Cônegos Regulares Premonstratense, rogai por nós!